segunda-feira, 16 de maio de 2011

Foucault e o quase Manifesto Comunista

Após uma longa jornada de trabalho na Cantata de Páscoa, e diversos outros trabalhos da UFES, parei para postar um irresistível prefácio de Foucault para o livro Anti-Édipo de Deleuze e Guattari, para a vossa PROFUNDA MEDITAÇÃO:

"Liberai a ação política de toda forma de paranóia unitária e totalizante; desenvolvei a ação, o pensamento e os desejos por proliferação, justaposição e disjunção, antes que por subdivisão e hierarquização piramidal; livrai-vos das velhas categorias do negativo. Preferi o que é positivo e múltiplo: a diferença à uniformidade, os fluxos às unidades, os agenciamentos móveis aos sistemas. O que é produtivo não é sedentário mas nômade; não exijais da política que ela restabeleça os "direitos" do indivíduo tais como a filosofia os definiu. O indivíduo é o produto do poder"

Curtam o momento... filosofem! Vejam as entre-linhas... as intencionalidades. Questione, critique, tenha consciência.

Nenhum comentário:

Postar um comentário